terça-feira, 30 de outubro de 2012

O que aconteceria se todo o mundo se tornasse orgânico?

"Resultado: Mais 75% de calorias por pessoa em todo o planeta.Se queremos que o planeta seja o mais saudável possível, com comida para todos, então todo o planeta deveria tornar-se orgânico" (00:32:43)

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Uma abóbora

Para a próxima feira (29 de Outubro) temos: Uma abóbora (pode ser dividida em duas), batata doce, açaflor, acelgas, tomates (poucos), tomilho, nabos (poucos), coentros, salsa, basílico, alho-francês, rúcula (muita), cenoura (pouca) alecrim... (de tudo um pouco).

ENCOMENDE os seus produtos: deixe a sua lista no link comentários (abaixo desta mensagem), identifique-se e nós deixamos o seu saco na portaria do parque de estacionamento
Em alternativa, pode deixar a sua nota de encomenda dentro de um saco no bar de professores, indicando aonde quer levantar os produtos (no bar, ou na portaria do parque de estacionamento).

----------------

Notas: Agora o pagamento (e/ou donativos) dos produtos hortícolas é entregue em mão à Sra. Ana Azevedo, na CONTABILIDADE (junto ao conselho executivo).

A feira de produtos da horta realiza-se às segundas-feiras das 10:30 às 12. 
Traga um saco. 

Não vendemos tudo a uma pessoa só. Não somos uma empresa, nem temos como objectivo o lucro.

Queremos mostrar que é possível cultivar de forma saudável. Sem pressas, nem atropelos ambientais. Move-nos a pedagogia e não a instrumentalização das pessoas.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

José Bento

Nunca finda o respigo:
grãos da colheita arrecadada
jazem entre joio e calhaus hirtos,

mortos pela invernia
avara de chuva e de mãos cálidas,
repetindo a parábola;

e outros vão já caindo
de espigas a vergar-se
a pedir a foice necessária.

Alguém virá buscá-los,
embora mínimos?
Mas não achará nada
quem mais procure que a sua vida escassa.

José Bento, Alguns Motetos, Assírio & Alvim, 2003, p. 131

sábado, 20 de outubro de 2012

Batata doce e açaflor são as novidades

Para a próxima feira (22 de Outubro) temos: Batata doce, açaflor, acelgas, tomates (poucos), tomilho, nabos (poucos), coentros, salsa, basílico, alho-francês, rúcula (muita), cenoura (pouca)... (de tudo um pouco).

ENCOMENDE os seus produtos: deixe a sua lista no link comentários (abaixo desta mensagem), identifique-se e nós deixamos o seu saco na portaria do parque de estacionamento
Em alternativa, pode deixar a sua nota de encomenda dentro de um saco no bar de professores, indicando aonde quer levantar os produtos (no bar, ou na portaria do parque de estacionamento).

----------------

Notas: Agora o pagamento (e/ou donativos) dos produtos hortícolas é entregue em mão à Sra. Ana Azevedo, na CONTABILIDADE (junto ao conselho executivo).

A feira de produtos da horta realiza-se às segundas-feiras das 10:30 às 12. 
Traga um saco. 

Não vendemos tudo a uma pessoa só. Não somos uma empresa, nem temos como objectivo o lucro.

Queremos mostrar que é possível cultivar de forma saudável. Sem pressas, nem atropelos ambientais. Move-nos a pedagogia e não a instrumentalização das pessoas.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

«A Revolução de Uma Palha»



De Masanobu Fukuoka (1913-2008), biólogo e agricultor japonês, criador da agricultura selvagem ou natural,  A Revolução de Uma Palha propõe-nos que deixemos a terra fazer o seu trabalho, cabendo-nos apenas a tarefa de lançar as sementes e deixar que os legumes cresçam ao lado das ervas daninhas. Esta concepção de agricultura terá inspirado a máxima «Trabalhar com e não contra a natureza» que norteia os defensores da permacultura.
Alguns excertos do livro, aqui, numa edição brasileira:
"O agricultor tornou-se atarefado demais quando começou a estudar o mundo e a decidir que seria bom fazer isto ou fazer aquilo. Toda a minha pesquisa se baseou em não fazer isto ou não fazer aquilo. Estes trinta anos ensinaram-me que os agricultores estariam numa situação bem melhor se não fizessem praticamente nada."
"Eu cultivo os meus legumes de maneira semi-selvagem, utilizando um terreno vago, ribanceira ou terra inculta não vedada. A minha concepção é lançar, simplesmente as sementes à terra e deixar que os legumes cresçam com as ervas daninhas. Faço crescer os meus legumes na encosta da montanha, nos espaços livres entre os citrinos.
O ponto importante é saber qual o momento certo para cultivar. Para os legumes primaveris, o momento certo é quando as ervas daninhas de Inverno começam a morrer e imediatamente antes da germinação das ervas daninhas da Primavera. No Outono, a sementeira deve fazer-se quando as ervas de Verão murcham e as ervas daninhas de Inverno não apareceram ainda."

sábado, 13 de outubro de 2012

Do coentro

Originário das regiões do Mediterrâneo e do Médio Oriente, o coentro (coriandrum sativum)  aparece mencionado no Antigo Testamento, onde é comparado ao maná do deserto: «E chamou a casa de Israel o seu maná; e era como a semente do coentro branco, e o seu sabor como bolos de mel» (Êxodo 16.31). Mas, muito antes, no Antigo Egipto, terá participado no processo de embalsamar o corpo dos nobres, acreditando-se no poder que esta planta tinha em encaminhar a alma. Diz-se que grãos de coentro terão sido encontrados no túmulo de Tutankamon.
Parente desta crença é a que na China atribui ao coentro o poder da imortalidade.
Também os gregos o utilizavam em pratos e bebidas e os romanos, acrescentando-o ao cominho e ao vinagre, usavam-no para conservar o sabor de carnes variadas.
Aparece no Naturalis Historia de Plínio, o Velho, (23-79) e Paracelso (1493-1541) conta que, juntamente com almíscar, açafrão e incenso, resultava num poderoso elixir amoroso, muito em voga entre as medievas práticas de bruxaria.
Actualmente é assíduo na produção cosmética, integrando a composição de diversificados cremes para  rosto e corpo.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Vamos à feira

A feira de produtos da horta realizar-se-á, até se encontrar melhor solução, às segundas-feiras das 10:30 às 12. Traga um saco.
Não vendemos tudo a uma pessoa só. Não somos uma empresa, nem temos como objectivo o lucro.
Queremos mostrar que é possível cultivar de forma saudável. Sem pressas, nem atropelos ambientais. Move-nos a pedagogia e não a instrumentalização das pessoas.

Para a próxima feira (15 de Outubro) temos: acelgas, tomates (poucos), tomilho, nabos, coentros, salsa, basílico, alho-francês, rúcula (muita), cenoura (pouca)... (de tudo um pouco).
ENCOMENDE os seus produtos: deixe a sua lista com os produtos que deseja no link comentários (abaixo desta mensagem), identifique-se e nós deixamos o seu saco na portaria do parque de estacionamento.

Nota informativa: a partir de hoje o pagamento (e/ou donativos) dos produtos hortícolas será entregue em mão à Sra. Ana Azevedo, na CONTABILIDADE (junto ao conselho executivo). Assim o dinheiro é entregue directamente à escola, sem intermediários.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004)



O REI DE ÍTACA

A civilização em que estamos é tão errada que
Nela o pensamento se desligou da mão

Ulisses rei de Ítaca carpinteirou seu barco
E gabava-se também de saber conduzir
Num campo a direito o sulco do arado

Sophia de Mello Breyner Andresen, Obra Poética III, Caminho, 1991, p. 209

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Na próxima feira

(Ver post abaixo: "Vamos à feira")

O tomilho (fig. à esquerda), cujo nome científico é thymus vulgaris, é uma espécie mediterrânica.
Tem aroma intenso e forte. Picante de sabor, reforça o de outras ervas resultando bem com a salsa e a sálvia.
Considerado uma alternativa saudável ao sal, é ideal para guisados e cozidos (carne/peixe), sopas e molhos.
São-lhe reconhecidas propriedades diuréticas, digestivas e estimulantes.

O basílico (fig. à direita), também conhecido por manjericão, é de origem indiana e nomeado cientificamente por ocimum basilicum.
Tem um sabor agradavelmente apimentado o que confere aos pratos um aroma de frescura próximo do jasmim e do limão.
De resultados deliciosos em combinações com tomate fresco ou mozarella, é muito utilizado na cozinha italina, onde é considerado a erva armomática por excelência de pizzas, molhos (à base de tomate) e massas. Pode ser também adicionado às saladas.
Aconselha-se a que seja acrescentado (em pratos cozinhados) no final da cozedura e utilizado fresco, dado que a secagem lhe retira características essenciais.
Na medicina tradicional é usado como planta medicinal. Tanto as folhas como as flores são utilizadas na preparação de chás, indicados para problemas respiratórios e reumáticos e reconhecidos pelas suas propriedades estimulantes e digestivas.


A acelga (fig. ao centro), beta vulgaris, é um legume de folha verde, originário do Mediterrâneo.
Pertence à  família da beterraba e do espinafre e partilha com eles o mesmo destino culinário. Tanto o caule como as folhas são comestíveis (no entanto, se a planta estiver muito crescida, é aconselhável retirar o caule que tende a tornar-se amargo).
Considerado como um dos alimentos mais completos para a nutrição humana, a acelga é rica em vitaminas K, A, C, E, magnésio, potássio, ferro, fibras.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Outras formas

Abundância/Abundance from Job Leijh on Vimeo.

Ruy Belo (1933-1978)

CANÇÃO DO LAVRADOR

Meus versos lavro-os ao rubro
nesta página de terra
que abro em lábios. Descubro-
-lhe a voz que no fundo encerra

Os versos que faço sou-os
A relha rasga-me a vida
e amarra os sonhos de voos
que eu tinha à terra ferida

Poema que mais que escrevo
devo-te em vida. No húmus
a regos simples eu levo
os meus desvairados rumos

Mas mais que poema meu
(que eu nunca soube palavra)
isto que dispo sou eu
Poeta não escrevas lavra

Ruy Belo, Todos os Poemas, Assírio & Alvim, 2000, p. 48

Calendário agrícola do mês de outubro

O Almanaque do Camponez, para o ano bissexto de 2012, diz-nos que em outubro a «aurora principia às 04h. e 04m.O Sol nasce às 07h e 36m. De 1 a 31 os dias diminuem 60 minutos».
Segundo o mesmo almanaque, as fases da lua:
- Quarto Minguante a «8 de Outubro, às 07h. e 33m.» com «Alguma chuva»;
- Lua Nova a «15 de Outubro, às 12h. e 03m.» trará «Tempo c/ mudanças»;
- Quarto Crescente a «22 de Outubro às 03h. e 32m.» com «Tempo chuvoso»;
- Lua cheia a «29 de Outubro, às 19h. e 49m.» e «Tempo fresco c/ algum vento».
Neste mês, nas hortas, semeiam-se:
- (hortaliças) ervilhas, favas, lentilhas, nabos, rabanetes, cenouras, beterraba, acelga;
- (ervas aromáticas) coentros, manjerona, salsa, cebolinho e segurelha.
Nos alfobres, cebolas, alfaces e couves.
Plantam-se, também, árvores de fruto (segundo o Borda d'Água a altura ideal para as plantar coincidirá com o Quarto Minguante).

Vamos à feira

A feira de produtos da horta realizar-se-á, até se encontrar melhor solução, às segundas-feiras das 10:30 às 12. Traga um saco.
Não vendemos tudo a uma pessoa só. Não somos uma empresa, nem temos como objectivo o lucro.
Queremos mostrar que é possível cultivar de forma saudável. Sem pressas, nem atropelos ambientais. Move-nos a pedagogia e não a instrumentalização das pessoas.

Para a próxima feira (8 de Outubro) temos: acelgas, tomates, tomilho, nabos, coentros, salsa, basílico, alho-francês, rúcula, ... (de tudo um pouco).
Se preferir encomendar, deixe a sua lista com os produtos que deseja no link comentários (abaixo desta mensagem), identifique-se e nós deixamos o seu saco na portaria do parque de estacionamento.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

A horta, a feira e o trabalho voluntário (de tudo um pouco)

No ano passado fizemos, na feira biológica, cerca de 130 euros. Com esse dinheiro, comprámos algumas sementes BIOLÓGICAS e um sistema de rega gota a gota que já está instalado.
Estamos sem dinheiro, mas temos sementes e já não precisamos de acartar água nos garrafões.

Tivemos, em Julho de 2012, a ajuda preciosa dos participantes no programa de voluntariado ambiental da Gê-Questa. Limparam toda a horta, semearam e ajudaram a alinhar os canteiros com o sistema de rega. Uma ajuda preciosa. Em troca, fornecemos à Gê-Questa alguns dos nosso produtos hortícolas (repolhos, tomates, alfaces ...) para ajudar a alimentar esses bravos da boa vontade! Aqui fica o nosso forte agradecimento.

Contamos também com o continuado apoio dos Serviços de desenvolvimento Agrário da Ilha Terceira que nos fornecem, para além de conhecimentos científicos, valiosos plantios e sementes. A eles também o nosso agradecimento.

Muitos professores da nossa escola também foram generosos, oferecendo-nos sementes para utilizarmos na horta. 

Entretanto, as ervas daninhas cresceram mais do que as sementeiras.

Já começamos a mondar.

O professor Luís Bettencourt trabalha na horta às segunda-feiras das 10:30 às 12.

Estamos a precisar de voluntários para mondar, semear e colher. Se gosta de trabalhar a terra, apareça.

A feira de produtos biológicos realizar-se-á, até se encontrar melhor solução, às segundas-feiras das 10:30 às 12. Traga um saco.
Não vendemos tudo a uma pessoa só. Não somos uma empresa, nem temos como objectivo o lucro.
Queremos mostrar que é possível cultivar de forma saudável. Sem pressas, nem atropelos ambientais. Move-nos a pedagogia e não a instrumentalização das pessoas.

Para a próxima feira (dia 8 de Outubro) temos: acelgas, tomates, tomilho, nabos, coentros, salsa, basílico (muito), alho-francês, rúcula (muita), alface (pouca) ... (de tudo um pouco).
Se preferir encomendar, deixe a sua lista com os produtos que deseja no link comentários (abaixo desta mensagem), identifique-se e nós deixamos o seu saco na portaria do parque de estacionamento.

A comissão europeia e a agricultura biológica

A comissão europeia e a agricultura biológica. Aqui

Finalidades

O logotipo da autoria do professor Juvenal



As nossas primeiras palavras:

Criação e manutenção de horta e pomar orgânicos (isentos de químicos, herbicidas e insecticidas) cujos produtos serão consumidos pela comunidade escolar.
Exemplificação pedagógica de técnicas de agricultura orgânica.
Realização de feira de produtos cultivados na horta.

As primeiras culturas







As primeiras fotos